Este Blog é destinado a compilar ideias, pensamentos e notícias que ajudem a se saber mais a respeito da Marinha do Brasil, por iniciativa da Sociedade Amigos da Marinha, no Amapá. A Soamar-AP é composta por personalidades agraciadas com a Medalha "Amigo da Marinha", além do corpo de oficiais da ativa, da reserva e de seus sócios Beneméritos e Honorários.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Helicóptero resgata grávida com traumatismo craniano em arquipélago na Costa do Amapá

Uma mulher grávida de nove meses foi resgatada pelo Grupo Tático Aéreo (GTA), na tarde desta segunda-feira, 1º, na localidade de Vila Progresso, no Arquipélago do Bailique, zona rural de Macapá.
De acordo com a enfermeira responsável pela Unidade Básica de Saúde (UBS) do Bailique, Marilene dos Santos Silva, a paciente Nildacy Lacerda Campos, de 41 anos, estava tomando banho quando caiu. O marido estranhou a demora de Naildacy, abriu a porta do banheiro e viu que ela havia sofrido um acidente. Na UBS, ela foi atendida por um médico que constatou traumatismo craniano com suspeitas de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) que paralisou os membros do lado esquerdo da paciente.
Devido o estado de saúde e por estar grávida, o GTA foi acionado para fazer o resgate. “O estado de saúde da paciente inspira cuidados e, por estar grávida, o bebê corre risco. Se fosse de barco, os riscos seriam ainda maiores”, disse a enfermeira que acompanhou Naildacy.
A viagem de barco até o arquipélago do Bailique dura, em média, 12 horas. Assim que a aeronave pousou no estádio Glicério Marques, uma equipe do Serviço Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a encaminhou ao Hospital de Emergência.

Como acionar o GTA
Para esse ou qualquer outro tipo de ocorrência, há um protocolo de acionamento do GTA que é feito pelo Ciodes, por meio dos números 190 e 192. Se houver necessidade, a equipe entra em contato imediatamente com o GTA para atender a ocorrência.

domingo, 24 de julho de 2016

Capitania intensifica abordagens em busca de irregularidades

Em razão do período de férias e o Festival do camarão no município paraense de Afuá, as ações da CPA que deflagrou a operação "Férias Seguras", tem se desdobrado na inspeção naval e fiscalização do tráfego aquaviário nas orlas e balneários dos municípios de Santana e Macapá.

O principal objetivo é assegurar um trafego seguro a todos que utilizarem os rios da Amazônia, em especial nos períodos de grande movimentação. Em 2015, foram abordadas 442 embarcações, sendo 77 notificadas e 6 apreendidas, informou a instituição.

Falta de documentação da embarcação e dos pilotos tem sido uma das mais frequentes ocorrências registradas, além da proibição do consumo de bebida alcoólica por parte de tripulantes durante a navegação comercial.

A rampa do Santa Inês em Macapá e o porto do Grego em Santana tem sido os locais com maior presença do efetivo da CPA que conta com 40 militares.


Fonte: Claudio Jr/A Gazeta

sexta-feira, 22 de julho de 2016

França promulga acordos para abrir ponte binacional entre Brasil e Guiana

Aprovação de acordos é uma das condicionantes para abertura da ponte. Apesar do avanço, Brasil precisa concluir aduana de ponte pronta desde 2011.

Abinoan SantiagoDo G1 AP

Ponte Binacional sob Rio Oiapoque custou R$ 61 milhões e está pronta desde 2011 (Foto: Abinoan Santiago/G1)Ponte Binacional sobre rio Oiapoque custou R$ 61 milhões e está pronta desde 2011 (Foto: Abinoan Santiago/G1)


O Diário Oficial da República Francesa publicou a promulgação dos acordos assinados com o Brasil em março de 2014, em Paris, para a abertura da ponte binacional sobre o rio Oiapoque, entre Amapá e Guiana Francesa. Os acordos precisavam de aprovação dos congressos nacionais de ambos os países. No Brasil, eles foram homologados em maio de 2016.
Na França, os acordos foram aprovados pela Assembleia Nacional, que equivale à Câmara no Brasil, pelo Senado e poder executivo. Os documentos foram assinados no diário oficial francês pelo presidente François Hollande, ministro do Interior, Manuel Valls e primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault.
Foram promulgados pela França os acordos de regime especial de transportes e de mercadorias. O primeiro trata das normas para trânsito de passageiros de veículos e cargas pela ponte.
Um dos pontos do documento permite a exploração de linhas de ônibus entre os dois países através da ponte sobre o rio Oiapoque. O serviço, no entanto, poderá ser oferecido somente por empresas.
O prestador do serviço deverá ter autorização dos órgãos reguladores de transporte dos dois países. Em caso de irregularidade, as penalidades aplicadas serão as previstas no país onde foi realizado o flagrante.
Em relação ao segundo acordo, são isentados de tributos de importação as mercadorias de subsistência, que neste caso, entende-se por "produtos de limpeza, alimentícios, vestuários, calçados, revistas e jornais, destinados à utilização e consumo cotidiano", sem finalidade comercial.
Em caso de irregularidade, as penalidades serão as aplicadas no país onde a pessoa for flagrada.
Catraias saem de um cais na orla do município de Oiapoque para áreas de garimpos  (Foto: Abinoan Santiago/G1)Ponte liga o Amapá com a Guiana Francesa
(Foto: Abinoan Santiago/G1)
Os acordos são umas das condicionantes para a abertura da ponte binacional entre Oiapoque e Saint-Georges.
Apesar do avanço burocrático, a abertura ainda depende da conclusão da estrutura alfandegária brasileira, que está em construção. A ponte, de R$ 61 milhões, está pronta desde 2011.  A aduana francesa foi entregue há cinco anos.
Em maio de 2016, o Departamento de Transportes e Infraestrutura (Dnit), responsável pela obra, informou que ela ainda precisa da construção do pátio aduaneiro e que mesmo após isso, é impossível prever uma data de inauguração porque a administração da aduana será repassada para diversos órgãos de fiscalização na fronteira.
"Mesmo após as intervenções da autarquia [Dnit], como as operações da aduana serão realizadas por outros órgãos federais, não tem condições de prever data de inauguração ou operação", informou em nota o Dnit.
  •  
Lei França Amapá ponte binacional (Foto: Reprodução/Diário Oficial da França)Leis foram promulgadas pela França (Foto: Reprodução/Diário Oficial da França)

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Mesmo amadores, suspeitos de terrorismo ultrapassaram limite, diz Jungmann




O ministro da Defesa, Raul Jungmann, classificou hoje (21) de amador o grupo preso pela Polícia Federal (PF) suspeito de preparar atos terroristas no país. No entanto, segundo Jungmann, o grupo, mesmo amador, ultrapassou "o limite" ao passar a preparar um ataque no Brasil. O ministro chegou a classificar a organização de "porra-louquice".
Segundo o ministro, as investigações mostram que a organização saiu da "possibilidade" para a "probabilidade" de implementar as ações e que, para evitar riscos, os membros foram detidos. Apesar do amadorismo, o grupo foi preso, conforme Jungmann, com base na lei antiterrorismo que considera crime atos preparatórios. "Não sei se foi divulgado o vídeo deles, é de um amadorismo [...] Me perdoem o linguajar, um tanto vulgar, mas é uma 'porra-louquice', quer dizer, de fato, é um grupo que não tem, digamos, nenhuma tradição, algo que pudéssemos dizer como preparativo histórico, o que for, com relação aos Jogos", disse Jungmann.
A PF prendeu dez brasileiros, que se denominavam Defensores da Sharia (lei islâmica). De acordo com as investigações, o grupo fez juramento pela internet, conhecido como “batismo”, do Estado Islâmico e não teve contato direto com integrantes do grupo terroristaA Polícia Federal monitorou mensagens trocadas pelo grupo em redes sociais como Telegram e WhatsApp e descobriu ações preparatórias como planejamento para início de treinamento de artes marciais e o contato feito com um site de armas clandestinas no Paraguai para a compra de um fuzil. Os homens foram detidos em dez diferentes estados, durante a Operação Hashtag, a 15 dias do início da Olimpíada. 
As pessoas detidas hoje vão responder pelos crimes de promoção de organização terrorista e planejamento de terrorismo, previstos na Lei 13.260/2016, que entrou em vigor em março deste ano.  A pena é de cinco a oito anos de prisão, no caso do primeiro crime, mais uma multa. Para quem executa atos preparatórios, a pena varia de três a 15 anos de prisão.

Leia mais
França nega plano de atentado por brasileiro ligado ao EI no Rio
Jogos Olímpicos do Rio, um 'inferno' para a segurança?
Polícia Federal prende célula do Estado Islâmico que planejava atentado na Olimpíada
Sigilo
O ministro da Defesa fez um sobrevoo por estruturas que vão receber competições olímpicas, no Rio de Janeiro. Ele também conheceu estruturas de Defesa Setoriais (CDS), administrada pelas Forças Armadas, na Vila Militar, na zona norte.
Segundo Jungmann, as prisões teriam sido mantidas em sigilo, a pedido do juiz da 14ª Vara Federal em Curitiba - que analisa o caso, mas acabaram se tornando públicas, após a esposa de um dos detidos fazer uma declaração pública na rede social Facebook. Mesmo assim, a poucas semanas da Olimpíada, o ministro disse que o "estresse pré-grande eventos", insuflado pelas trágicas cenas da ação terrorista em Nice, na França, acompanha qualquer sede dos jogos.
Jungmann também assegurou que, nenhum integrante do Estado Islâmico veio ao Brasil, que é monitorado por órgãos de inteligência nacional e de países como a França, os Estados Unidos, a Inglaterra e Israel. O Brasil, afirmou, com ações de inteligência, das forças policias e militares tem condições de antecipar quaisquer ameaça aos Jogos.

domingo, 17 de julho de 2016

Marinheiro aposentado vira turista rodoviário e atravessa o país numa Variante 1976

TURISMO | Em mais uma edição da promoção “Minha Viagem Inesquecível”, o Diário do Amapá conta hoje a aventura de um ex marinheiro que virou turista rodoviário
José Antônio faz pose sobre o capô da Variant 1976 no Rio de Janeiro
Por Cleber Barbosa
Editor de Turismo | Diário do Amapá

Um marinheiro rodado, com muitas horas embarcadas em navios militares que cruzaram oceanos e rios pelo Brasil e pelo mundo, mas que se realiza agora com turista rodoviário. Este é o novo perfil de José Antônio Souza, 52, um dos filhos do eterno Rei Momo do Carnaval Amapaense, Sacaca. Ele é o personagem deste domingo na volta da promoção “Minha Viagem Inesquecível”, que o Diário do Amapá apresenta hoje.
Agora aposentado da Marinha do Brasil, ele vai acumulando quilômetros e quilômetros de uma experiência enriquecedora em todos os sentidos, tanto que em seu mais recente diário de viagem, está o registro de uma aventura a bordo de uma Variant, um Volkswagem fabricado em 1976 e que fez tanto sucesso nas postagens que fez da grande excursão iniciada no Rio de Janeiro que o carro praticamente foi leiloado entre os familiares e amigos assim que chegou a Macapá.
Orgulho. A bandeira do Amapá acompanhou as principais viagens de carro de José Antônio pelo país, tanto que fez sucesso o carro usado em sua última rota, iniciada no Rio de Janeiro. Nas redes sociais as pessoas queriam a Variant 76.
Rotina
Pela própria característica da carreira militar, de sempre estar mudando de endereço, José Antônio teve que percorrer o Brasil várias vezes com a família. “Já morei no Rio de Janeiro, no Espírito Santo, na Bahia e até no Ceará, então em cada lugar desse aproveitava para viajar de carro, devido as muitas possibilidades rodoviárias que se tem, coisa que já não acontece aqui em Macapá, onde a gente não está interligado por estrada com o restante do país”, diz ele.
Por falar na família, nosso personagem diz que sempre teve ao longo dessas viagens a companhia da esposa Eliana, e do enteado Thiago (hoje com 28 anos) que incentivavam muito na hora de encarar o volante nas estradas. Mas ela acabou falecendo em 2007, pouco depois de concluírem mais um ciclo de Norte a Sul. “Ela nos deixou precocemente, nove meses depois do nascimento de nossa filha Ana Clara, hoje com nove anos, que é minha princesa e adora viajar também”, diz.
A opção de adquirir um carro antigo, diz, foi motivado ela atração que tem por clássicos da indústria nacional, tanto que se diz um ‘Fusqueiro’, uma espécie de irmandade que encontra adeptos pelo país e até fora dele. “O Fusca é uma paixão mundial, tanto ele como seus irmãos, a Brasília, o Puma e a nossa Variant”, diz o viajante amapaense.
O carro foi adquirido em Paty do Alferes, cidade no interior do estado do Rio de Janeiro e atualmente está em Macapá, depois de passar pelas mãos de familiares e amigos. “O atual dono é policial e cuida muito bem do carro, que esta em plena forma e pronto para encarar qualquer viagem”, diz Souza.

“Só vendi o carro por falta de peças de reposição”
A paixão de José Antônio pela família Fusca em de longa data. “Aprendi a dirigir num Fusca”, diz ele, que ao longo da vida teve três exemplares do carrinho alemão. “A Alemanha nos deu um grande presente com esse carro, muito valente e resistente que tem fãs por toda parte do mundo”, completa.
Nosso personagem diz que possui um carro mais moderno, com itens de conforto e tecnologia que os distancia muito dos modelos VW antigos, mas nada substitui o glamour de percorrer cidades e mais cidades sendo parado para tirarem fotos do carro.
A Variant adquirida no Rio, era praticamente toda original, com exceção de um ar-condicionado que ele mandou instalar para melhorar as condições das viagens. “Mas depois ficou difícil conseguir manutenção por aqui, principalmente peças de reposição, então acabei vendendo o carro, mas sei que está em boas mãos e sendo muito bem cuidado”, diz ele.
José Antônio vem refazendo a vida, depois de ficar viúvo, tanto que a atual namorada, Maria Malcher, já fez algumas viagens com ele, principalmente pelo Nordeste. “Ela é minha co-piloto”, diz o militar aposentado, hoje também advogado militante.

Saiba mais sobre algumas vantagens comparativas de se viajar de carro
O prazer de dirigir também é um dos motivos que levam as pessoas a preferir viajar de carro. Podemos citar o conforto, a liberdade, a autonomia, você é o dono do seu tempo, você decide onde quer parar e por quanto tempo. Saiba que se você quer viajar barato e com diversão. O carro pode significar economia nos seus gastos durante uma viagem, é só planejar.

Dicas
Depois de escolher o mais importante, o destino de sua viagem, tome alguns cuidados e curta seu tempo no volante. Para quem decide tirar o carro da garagem e pegar a estrada e dividir os gastos com amigos, a gasolina sai bem mais em conta se for paga por mais de um bolso, concorda? Desde que haja um consenso sobre qual destino tomar, a lei é se divertir.

Segurança
Da mesma maneira que temos mais liberdade em quantidade de coisas que podemos levar no carro, até porque não há as limitações impostas para viagens como de avião, a arrumação das malas também é algo a se pensar e fazer corretamente para evitar acidentes. Evite deixar objetos soltos dentro do carro, sempre guarde-os em locais seguros.

Locação
As cidades brasileiras oferecem uma variedade enorme de rotas e também no exterior é possível curtir as ótimas rodovias alugando um carro, já pensou? Muito importante é lembrar de fazer a revisão antes de partir, se você alugar, a empresa deve certificar que o automóvel tem todas as condições para longas horas de corrida, o contrato com a locadora deve também incluir o seguro.

Curiosidades
- Ser dono do próprio destino.
- Esta é a principal vantagem de se viajar de carro. Afinal, serão suas regras. Viu um monumento muito interessante no meio do nada? - É só encostar e conhecer. Avistou uma feira de antiguidades bacana no meio do caminho? Basta parar e ir até lá. Quem manda no roteiro é você!
- A opção de trocar de condutor é muito interessante, para não abrir mão de algumas diversões por estar ao volante.

Rota 66
Mais famosa rodovia internacional dos viajantes.

EM MACAPÁ

sábado, 9 de julho de 2016

Capitania dos Portos prevê até 20 mil amapaenses no Festival do Camarão

Marinha alerta para segurança em embarcações que vão ao evento, no Pará. Operação 'Férias Seguras' vai aumentar fiscalização nos rios e balneários.

John PachecoDo G1 AP
Movimento na rampa do Santa Inês na manhã desta sexta-feira (24) (Foto: Reprodução/Rede Amazônica)Fluxo de passageiros para Afuá é alvo da Capitania
(Foto: Reprodução/Rede Amazônica)
O aumento no fluxo de embarcações saindo de Macapá às proximidades do Festival do Camarão, em Afuá, no Pará, é um dos alvos da Capitania dos Portos. A Marinha do Brasil prevê para esse ano um público de até 20 mil pessoas saindo do Amapá para a tradicional celebração, que acontece no último fim de semana do mês de julho.
O monitoramento desse trajeto, que inicia no rio Amazonas, está dentro da programação da operação “Férias Seguras”, que até o encerramento de julho vai atuar com mais de 40 militares em rios e balneários para garantir segurança a passageiros, tripulantes e banhistas. A dinâmica oficial da operação foi lançada nesta sexta-feira (8) na sede da Capitania, em Santana..
As equipes vão atuar também com quatro embarcações e três viaturas parando e fiscalizando os barcos de pequeno, médio e grande porte. O objetivo é evitar irregularidades como falta de documentação, ausência de boias e coletes, além de direção por condutores inabilitados ou sob efeito de álcool ou drogas.
  •  
Capitão dos Portos do Amapá, Aderson de Oliveira Mendes (Foto: John Pacheco/G1)Capitão dos Portos do Amapá, Aderson de
Oliveira Mendes (Foto: John Pacheco/G1)
Em 2015, foram abordadas 442 embarcações, sendo 77 notificadas e 6 apreendidas, informou a instituição. De janeiro a junho de 2016 já foram realizadas 413 notificações.
“Estamos nos planejando para a operação específica do Festival do Camarão, mas para a operação Férias Seguras já estamos atuando desde o dia 1º. Ano passado tivemos êxito na atuação colocando militares na rampa do Santa Inês e também no Afuá”, detalhou o Capitão dos Portos do Amapá, Aderson de Oliveira Guedes.
Além do Festival do Camarão, as equipes serão divididas em todos os balneários e locais de grande concentração de pessoas durante os fins de semana.

Caminhão cai de balsa no rio Matapi durante trajeto para Mazagão

John PachecoDo G1 AP
amapá; macapá; mazagão; santana; ponte; caminhão; matapi; (Foto: John Pacheco/G1)Caminhão pode ter caído no rio Matapi durante o acesso à rodovia (Foto: Michelly Souza/Arquivo Pessoal)

























O caminhão de uma distribuidora que estava sendo carregado dentro de uma balsa caiu no rio Matapi na tarde desta terça-feira (5). O incidente, que não deixou feridos, aconteceu ao lado da obra da ponte que vai ligar os municípios de Santana e Mazagão.
A Secretaria de Estado dos Transportes (Setrap) informou que o veículo pode ter perdido o controle no momento próximo a descida da balsa para o acesso à Rodovia AP-010. Técnicos da secretaria estão no local para auxiliar na retirada do caminhão com ajuda de um trator. Também não houve danos na balsa.
amapá; macapá; mazagão; santana; ponte; caminhão; matapi; (Foto: Ediana Marks/Arquivo Pessoal)Interrupção parcial do serviço forma filas nos dois lados da rodovia (Foto: Ediana Marks/Arquivo Pessoal)

























 Motoristas que estão no local informaram que para a retirada do veículo, a travessia de carros foi suspensa temporariamente, causando filas de veículos dos dois lados do rio Matapi.

sábado, 2 de julho de 2016

Temer devolve a comandantes militares poderes retirados por Dilma

O presidente em exercício, Michel Temer, devolveu na sexta-feira (1º), em reunião com comandantes militares, as competências administrativas retiradas durante o governo da presidente afastada, Dilma Rousseff. A decisão foi divulgada no perfil pessoal do peeemedebista no microblog Twitter.
Em setembro do ano passado, Dilma assinou um decreto que transferiu das Forças Armadas para o Ministério da Defesa a competência de assinar atos relativos a pessoal, como a transferência para a reserva, reforma de oficiais da ativa e da reserva e promoção de oficiais.
De acordo com a revista “Época”, a petista havia assinado o decreto sem consultar os comandantes militares.
Durante o encontro desta sexta, que foi fechado à imprensa, Temer anunciou aos militares a revogação do decreto que retirou poderes administrativos dos oficiais das Forças Armadas.
A reunião, realizada no Palácio do Planato, também contou com a presença dos ministros Raul Jungmann (Defesa), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Alexandre de Moraes (Justiça e Cidadania).
Ao assinar a revogação do ato do governo petista, informou a assessoria da Presidência, o presidente em exercício afirmou que é preciso “democratizar e reconstitucionalizar o país”.
 

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Almirante Alípio Jorge é recebido no Parlamento Estadual para firmar convênio com o Estado

A comitiva da Marinha do Brasil com o dirigente do Parlamento Estadual, deputado Kaká Barbosa
O presidente da Assembleia Legislativa do Amapá, deputado Kaká Barbosa (PTdoB) recebeu na tarde desta quinta-feira (30) uma comitiva da Marinha do Brasil, liderada pelo almirante Alípio Jorge Rodrigues da Silva, que é o atual comandante do 4º Distrito Naval, comando militar de área ao qual está subordinada a Capitania dos Portos do Amapá. O encontro serviu para finalizar detalhes de um convênio que possibilitará as chamadas ACISO (Ações Cívico Sociais) para atender as populações ribeirinhas do Amapá.
O almirante Alípio Jorge esteve acompanhado do comandante da Capitania dos Portos, capitão-de-fragata Aderson Oliveira Caldas, e do imediato do Serviço de Patrulha Naval do Norte, capitão-de-fragata Caio Vinícius Feitosa. Pela ALAP estiveram participando da reunião o diretor-geral César Melo e o procurador-geral Eugênio Aguiar.
Nesta sexta-feira, dia 1º de julho, haverá a formalização da parceria entre o Estado do Amapá e a Marinha do Brasil, em evento na sede do Ministério Público do Estado. Os Poderes Constituídos – Executivo, Legislativo e Judiciário – formarão um consórcio para possibilitar a realização das ações assistenciais em parceria com a Marinha, que estará disponibilizando uma espécie de navio-hospital, que é o Navio Auxiliar Pará.
Os representantes do Governo do Estado, do Tribunal de Justiça, do Ministério Público e da Assembleia Legislativa assinarão o convênio juntos, assegurando um aporte de R$ 58,8 mil cada um; as Prefeituras de Macapá e Mazagão, também estarão ombreadas neste grande mutirão, com um investimento de R$ 24,4 mil cada uma.
O presidente Kaká Barbosa declarou que em que pese todas as dificuldades enfrentadas na gestão que herdou no Legislativo, não hesitou em dar a parcela de contribuição do Legislativo nessa grande mobilização que tem cunho eminentemente social e humanitária. “Essa ação foi inspirada no modelo de juizado especial implementado pelo Tribunal de Justiça do Amapá, portanto sabemos da necessidade de levar todo tipo de assistência a nossos irmãos ribeirinhos e a entrada da Marinha vai coroar essa resposta do estado brasileiro às demandas de quem vive às margens dos rios e ao mesmo tempo zelando pela soberania do país e sua Costa”, disse o dirigente da ALAP.
O Navio Auxiliar Pará é considerado uma embarcação multiuso, pois ao mesmo tempo em que é capaz de transportar tropas e equipamento operacionais, possui estrutura de assistência médica e odontológica, além um tomógrafo capaz de enviar exames de imagem ao Hospital Naval, em Belém, onde especialistas podem emitir laudos.

César Melo, Eugênio Aguiar, capitão Caio Feitosa, Almirante Alípio Jorge, presidente Kaká e capitão Oliveira Caldas

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Operação “Cabo Orange” combate crimes na fronteira com Guiana Francesa

Ações estão voltadas para a repressão ao tráfico de drogas, crimes ambientais e cumprimentos de mandados de prisão

 
O 12º Batalhão da Polícia Militar (PM) integra a “Operação Cabo Orange”, deflagrada no dia 1º de junho, no munício de Oiapoque, no extremo norte do Amapá. Trata-se de uma ação integrada, com órgãos nacionais e estaduais, como Exército Brasileiro, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, polícias Civil e Militar, dentre outros.
O objetivo é combater crimes na área, fronteira internacional com a Guiana Francesa (departamento ultramarino da França na América do Sul). De acordo com o capitão Vinícius Batista, comandante do 12º BPM, de Oiapoque, as ações policiais estão voltadas para a repressão ao tráfico de drogas, a crimes ambientais, cumprimentos de mandados de prisão e abordagem a condutores de veículos.
“Estamos com um efetivo de mais de 30 policiais militares para integrar a ação, contando com apoio do efetivo do município de Calçoene e do Batalhão Ambiental”, informou o oficial.
Na fase final, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) deve se juntar ao contingente. O trabalho da força-tarefa não tem data para encerrar.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

AMAPÁ NA ANTÁRTIDA: Uma grande aventura no continente gelado!

REPORTAGEM/ O presidente da Soamar-AP, empresário Glauco Cei, conta detalhes da aventura até o Pólo Sul a convite da Marinha do Brasil
Glauco Cei faz questão de abrir a bandeira do Amapá em pleno Continente do Gelo. A viagem ao Polo Sul foi uma das maiores experiências de viagem que esse experiente turista diz já ter feito. Ele fez o trajeto a convite da nossa Marinha.

Por Cleber Barbosa 
Editor de Turismo

O empresário amapaense Glauco Cei, é o que se pode chamar de um viajante “rodado”, com inúmeras viagens internacionais registradas no passaporte. E na memória, claro. Ele já esteve nos cinco continentes a passeio ou a trabalho. Mas no mês passado surgiu um convite que ele diz ter sido uma agradável surpresa, afinal iria para onde jamais esteve, um sonho mesmo: A Antártida.  Essa experiência, que ele reputa como sendo “de vida” é a história a ser contada neste domingo pelo Diário do Amapá, na volta da promoção “Minha Viagem Inesquecível”.
Primeiro ele registra que o ineditismo da viagem vem também do fato de que não é qualquer pessoa que entra na Antártida. “Trata-se de uma base militar internacional, portanto é preciso ter uma autorização especial, que neste caso foi da Marinha do Brasil, já que o nosso país é signatário do protocolo de cooperação de vários países que mantém bases científicas no extremo sul do planeta”, relata Glauco, que é o presidente da Soamar-AP, a Sociedade Amigos da Marinha no Amapá, entidade que congrega personalidades civis e militares que são possuidoras da Medalha Amigo da Marinha.
Itirerário
A viagem do nosso personagem só pode ter começado em Macapá – onde ele mora – mas oficialmente o deslocamento iniciou no Rio de Janeiro, na Base Aérea do Galeão. De lá, a bordo em um avião Hércules C-130, da Força Aérea Brasileira, foram cinco horas de voo até Punta Arenas (Chile), onde é feita uma parada técnica para reabastecimento e embarque de equipamentos e outros meios que garantem a sobrevida e o mínimo de conforto na Antártida, onde militares e pesquisadores de universidades de toda parte do país passam meses a fio. Mais uma hora e meia até a base na Antártida – 1,5 mil km em média.
Glauco explica que o controle na entrada é também devido ao rigor das condições climáticas, onde facilmente se registra um frio de -40ºC (abaixo de zero), condições de fato inóspitas com direito a tempestade de neve. “E são exatamente essas situações do clima que proporcionam estudos sobre o nosso planeta, num enorme esforço internacional para entendermos a natureza e realizar pesquisas que proporcionam benefícios para a comunidade internacional, onde o Brasil também é um dos beneficiários”, explica Glauco. Ele também lembra que animais marinhos como as gigantes baleias Jubarte, habituês da Antártida, também costumam percorrer a Costa Sul do Brasil. “A Antártida é um berçário de várias espécies, o que já valeria o ingresso”, diz Cei.


Como fazer turismo na "terra do fim do mundo"
Se a entrada na Antártida é limitada, especialmente na Estação Antártica Comandante Ferraz, Glauco Cei lembra que existem voos regulares para algo ali perto, em Ushuaia, a cidade mais austral do mundo – também conhecida como o Terra do Fim do Mundo – que tem pouco mais de cem anos e já possui uma história riquíssima com um entorno paisagístico espetacular contornado por bosques, montanhas, rios e lagos. Está localizada na Ilha da Terra do Fogo, na Argentina. É o ponto de partida para percorrer e descobrir lugares únicos como navegar no Canal de Beagle, alcançar o Farol do Fim do Mundo, percorrer o Parque Nacional mais austral do mundo, e partir desde sua baia até a imensa e misteriosa Antártida. Tudo isso alimenta ainda hoje a imaginação dos aventureiros de todo o planeta. Em Ushuaia as opções são variadas em qualquer época do ano, podendo-se percorrer suas belas paisagens em carro, caminhando, cavalo, trem e navegando, desfrutando e praticando várias atividades como trekking, pesca com mosca, canoísmo, ciclismo, estâncias e observação de flora e fauna. Possui hotelaria de nível internacional com estabelecimentos de até 5 estrelas e uma excelente gastronomia.

Como aconteceu a presença brasileira no continente polar sul das Américas
Em maio de 1975, o Brasil assinou o Tratado da Antártica, passando a integrá-lo com membro aderente, sem direito a voto nas deliberações. No segundo semestre desse mesmo ano, criou-se um grupo de trabalho interministerial, sob coordenação do Ministro das Relações Exteriores, com o propósito de reunir subsídios para formulação de uma política nacional relativa ao assunto e propor as primeiras medidas concretas para a atuação brasileira na Antártica. No início da década de sessenta, oficiais hidrógrafos passaram a atuar como observadores, em expedições chilenas à Antártica. Posteriormente, oficiais de outras especialidades também acompanharam operações inglesas, argentinas, russas, e alemães, além das chilenas.
Com a decisão adotada pelo Governo em 1981, de enviar uma expedição brasileira à Antártica, adquiriu-se à Dinamarca um navio polar, Thala Dan, que recebeu, no Brasil, a classificação de Navio de Apoio Oceanográfico e o nome de Barão de Teffé. A fim de evitar despesas decorrentes da criação de um novo órgão, como se preconizara inicialmente, as tarefas que competiriam àquela foram atribuídas à Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), com sua secretaria executiva, a SECIRM, conduzida pelo Ministério da Marinha.
Em 23 de agosto de 1983, o avião C-130 Hercules, da Força Aérea Brasileira, pousou na pista de pouso da Estação Marsh, na Ilha do Rei George, do Chile, na Antártica, inaugurando o Voo de Apoio Antártica, que vem sendo realizado sete durante as Operações Antárticas. Nas operações seguintes, a estação foi ampliada e a participação do País se consolidou notadamente com a expansão da permanência das equipes: desde 1985, a ocupação de Ferraz passou a ser em tempo integral, com as equipes de verão e inverno revezando-se. 

Curiosidades
- O Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) é um programa da Marinha do Brasil, que tem presença no continente da Antártida. Ele coordena a pesquisa e o apoio operacional para a pesquisa na região. Atualmente, mantém uma estação de pesquisa durante todo o ano na Antártica (Estação Antártica Comandante Ferraz), bem como vários acampamentos sazonais. Ele também mantém dois navios de investigação que navegam nas águas da Antártida .

1975
Ano de entrada do Brasil no Continente Gelado.

PASSAPORTE